O que é tão forte em você a ponto de te fazer seguir em frente diante dos desafios que a vida lhe apresenta?

“Nosso sentido vai ser encontrado em nossos valores”.

 

A importância da resiliência e da empatia na maturidade humana é fundamental para que possamos superar uma crise, por exemplo, que nos tira do eixo. Falamos aqui sobre o sofrimento que pode ser moral, um luto, a perda de uma idealização, de um relacionamento, ou de um ideal de perfeição em um filho, e até mesmo uma pandemia. Sendo humanos, sofremos. E estamos sempre expostos a uma tensão entre o “eu ideal “ e o “eu real”, o que uma hora acaba por despertar uma crise interior.

Para que possa haver um crescimento pessoal, um fortalecimento do seu “eu”, é necessário inicialmente abrir mão daquela velha conhecida expressão ” eu deveria…”. Quando caímos na tentação de imaginar como seria diferente “se”, um cenário de cobrança em cima das idealizações que fizemos a respeito de nós mesmos, colocando prazos para que tal situação se concretizasse, permeiam os nossos pensamentos, e acabam nos impedindo de viver bem o tempo presente e os desafios do hoje.  Por isso fala-se muito, atualmente, sobre uma vida com mais “atenção plena” e bem menos “piloto automático”.

Estando mais atentos, conseguimos perceber o outro, nos colocar no lugar do outro, e exercitarmos a nossa capacidade de empatia. Uma competência tão necessária quanto a Resiliência. Por meio dela testamos a nossa capacidade de sermos flexíveis para enfrentarmos positivamente as adversidades que a vida nos apresenta durante toda a nossa caminhada, nos tornando dessa forma, mais fortes, e nos afastando cada vez mais de um processo de vitimização.

Bom humor, gratidão, otimismo traçam o caráter de uma pessoa resiliente, e sobre isso Ana Paula Tolino Salgado,  Analista Ambiental da Coordenação de Educação Corporativa e Competências da CGGP, produziu um material superimportante e atualizado para que conheçamos melhor essa competência, e vejamos que o nosso sentido vai ser encontrado em nossos valores.

Afinal, quem de nós não se viu em circunstâncias adversas nesses últimos dias e precisou se adaptar e superar obstáculos? Assista abaixo o vídeo.

 

 

Aliás, falar em superar obstáculos e empatia tem sido o trabalho da Liana Misson Paulin,  dentista e publicitaria, que tem duas filhas gêmeas de 3 anos, Helena (que possui agenesia da mãozinha direita) e Anna (recentemente diagnosticada com vitiligo). Liana passou por diversas situações de falta de empatia e discriminação, o que a levou a criar o projeto : ” Vamos falar de empatia”. A ideia consiste em criar uma rede de depoimentos com as mais diversas histórias de superação, amor, respeito e resiliência. O objetivo de seu trabalho é fazer com que as pessoas se identifiquem com os relatos e possam se colocar no lugar do outro.

Agora, Liana já conta com 20 vídeos que incluem deficiência física, câncer, adoção, homessexuliade, acidente doméstico, suicidio, doação de orgãos, por exemplo. E assim funciona o projeto, as pessoas se filmam, enviam as fotos, ela edita o vídeo, manda para aprovação, e posta em seguida. E assim Liana acredita estar proporcionando com um novo olhar, um mundo melhor para as filhas.

Conheça o trabalho de Liana, pelo instagram @vamosfalardeempatia, e veja os depoimentos acessando: https://www.youtube.com/channel/UCTVv_lg5_PmEHRMwJD3I1iQ