VIRTUDES E FORÇAS DE CARÁTER – CAMINHOS PARA O BEM-ESTAR, EM TODOS OS MOMENTOS



“Somos o que fazemos repetidamente.” 


Aristóteles.

A Psicologia Positiva tem por objetivo compreender melhor os caminhos que levam o ser humano à felicidade e ao bem-estar, focando no estudo científico das potencialidades do ser humano.

Nos artigos anteriores publicados neste Portal, conhecemos o modelo PERMA, acrônimo criado por Martin Seligman, para explicar os pilares do bem-estar: emoções positivas, engajamento, relacionamentos, significado , propósito e realizações. Hoje vamos conhecer as virtudes e as forças de caráter, que descrevem o que há de melhor no ser humano.

A felicidade, para a Psicologia Positiva, é entendida como resultado de uma vida virtuosa. Como base nesse princípio, os pesquisadores compilaram e estudaram mais de duzentos códigos de conduta das culturas oriental e ocidental, procurando identificar as virtudes comuns a todos eles[1]. Assim, identificaram seis virtudes: sabedoria e conhecimento, coragem, humanidade, justiça, temperança/moderação e transcendência. Então, questionaram quais seriam as características que um ser humano deveria ter para conquistar essas virtudes e identificaram vinte e quatro características, denominadas forças de caráter, ou forças pessoais, todas elas importantes. São elas:

Virtudes Forças
    Sabedoria e Conhecimento Criatividade Curiosidade Mente aberta (critério) Amor ao aprendizado Perspectiva
  Coragem Bravura Persistência (perseverança) Integridade Zest (ou vitalidade)
  Humanidade Amor Bondade (generosidade) Inteligência social
  Justiça Cidadania (trabalho em justiça) Equidade (justiça) Liderança
  Temperança Humildade e modéstia Prudência Autorregulação (ou autocontrole) Perdão e misericórdia
Transcendência Apreciação da beleza e da excelência Gratidão Esperança Humor Espiritualidade

Para os estudiosos da Psicologia Positiva, todas as pessoas têm em suas forças pessoais (que correspondem às características positivas), aquilo que temos de melhor. Dentre elas, possuímos forças principais que se destacam, ou seja, as chamadas forças de assinatura. Elas são relativamente estáveis, seus usos variam conforme o contexto e podem ser desenvolvidas com a prática.

Em 2004, os psicólogos americanos Cristopher Peterson e Martin Seligman desenvolveram um instrumento para mensurar as forças pessoais de um indivíduo, o questionário VIA, composto de perguntas que fornecem um ranqueamento das vinte e quatro forças do indivíduo, de modo que possa evidenciar as suas cinco principais. O teste, que dura cerca de 15 minutos e que também está acessível, em língua portuguesa, pode ser realizado por meio do seguinte endereço: https://www.viacharacter.org/survey/account/register.

Ao identificarmos nossas principais forças, podemos ter clareza sobre nossas melhores qualidades e como podemos aplicá-las no dia-a-dia para melhorar relacionamentos e o nível de bem-estar geral, construir resiliência, fortalecer nossa capacidade de superar problemas, melhorar o desempenho profissional, etc.

É possível acessarmos nossas forças e virtudes, inclusive, em momentos de crise, quando estamos envolvidos na sensação de desemparo, fragilidade e incerteza. Não se trata de negar uma dada realidade. Porém, ao focarmos em nossos pontos fortes e os mobilizarmos, podemos trazer mais equilíbrio e atenção para os aspectos positivos da vida.

Podemos citar como exemplo, uma pessoa que tem na “criatividade” uma de suas forças. Ela pode mobilizar a criatividade para descobrir novas formas de ofertar seu trabalho, de reorganizar sua rotina e sua casa.

Alguém que apresenta a força do “amor ao aprendizado”, pode utilizá-la para aprender uma nova profissão ou novo hobby, independentemente da sua idade. Todos nós já ouvimos algum caso de pessoas que, após os 40, 50 ou 60 anos, foram cursar a faculdade de seus sonhos, ou foram aprender a dançar, por exemplo. Ao cultivar a força da “perseverança”, por sua vez, um indivíduo pode buscar a realização de suas metas, enfrentando as dificuldades e obstáculo reais ou potenciais.

Nesse movimento, apreciar as forças de caráter dos outros é fundamental, também, para nossos relacionamentos. Refletir, admirar e expressar o que admiramos em nossos familiares, amigos e colegas de trabalho, fortalece as nossas relações.

Assim, a Psicologia Positiva ao trazer à luz a possibilidade de focarmos e investimos em atitudes, que nos conduzem ao bem-estar, convida-nos a refletir, focar e estimular o que temos de melhor. Nossas forças de caráter podem ter um papel importante, na busca da superação de contextos de crise. Para tanto, somos convidados ao autoconhecimento, valorização, prática e cultivo das nossas características positivas, para criarmos novas possibilidades, em qualquer momento da vida.

Atividade:

Após preencher o questionário VIA, reflita sobre o resultado e responda:

  1. O que você aprendeu sobre si mesmo?
  • Quais são as suas cinco principais forças de caráter e como você as utiliza em sua vida pessoal e profissional?
  • Quais forças fazem você se sentir bem, quando as utiliza?
  • Escolha uma das forças. Planeje uma maneira de utilizá-la de uma forma diferente, todos os dias, por uma semana. Repita o processo até que tenha utilizado todas as suas forças de assinatura.

[1] A classificação VIA é descritiva, não prescritiva: “A ênfase está em classificar os ingredientes psicológicos daquilo que é bom nos seres humanos, em vez de dizer algo sobre o que alguém “deveria” fazer” (NIEMIEC, 2019, p. 34)

Para saber mais:

A Ciência das Forças de Caráter. Disponível em:https://www.youtube.com/watch?v=3uhfNjahPAc&pp=QAA%3D

MACHADO, Leonardo; KURTINAITIS, Laila. Curso: Psicologia Cognitiva e Positiva em Tempos de Crise. [online] Disponível em: http://www.nutes.ufpe.br/indu/enrol/index.php?id=1023

Referências:

VICTORIA, Flora. Semeando felicidade: psicologia positiva aplicada. São Paulo: SBCoaching Editora, 2016.

NIEMIEC, Ryan M. Intervenções com forças de caráter. Um guia de campo para praticantes. 2. ed. São Paulo: Hogrefe, 2019.

Carolina Juliani de Campos – É Analista Ambiental e Coordenadora de Educação Corporativa e Competências da CGGPEspecialista em Administração de Pessoas (UFPR), com formação em Positive Coaching – abordagem que se baseia na Psicologia Positiva. Apaixonada por desenvolvimento humano, livros, música, cultura e viagens. É também colunista do Portal da Qualidade de Vida do Ministério do Meio Ambiente.